sábado, 25 de outubro de 2008

Um Exemplo Vale Mais Que Mil Slides

[Atendendo a recentes críticas ao blog, resolvi fazer uma alteração nesse post e prometer ser mais conciso nos próximos :)...]

Este post pode ser lido da seguinte maneira: leia a explicação #1 abaixo e, se quiser, vc pode pular a #2 e continuar do parágrafo final.


Explicação #1
==========

Imagine só... Segundona de manhã. Vc foi dormir tarde e acordou morrendo de sono para aquela aula legal de Química das 8 da manhã. Assunto do dia: substâncias polares e apolares. Seu professor chega e sai explicando quais as diferenças estruturais-moleculares entre as duas, quais tipos de ligações atômicas produzem quais tipos de substâncias e quais classes de substâncias orgânicas costumam ser polares ou apolares... E para isso tudo ele mostra uma apresentação em PowerPoint de um milhão de slides, cheios de figuras e conceitos, tudo isso com a luz da sala de aula apagada.

2ª opção: ele chega e fala: "Aê negada... Tem dois tipos de substância: polar e apolar. Um tipo não dissolve bem o outro. Água é polar. Quem me fala aê uma substância apolar? Isso, classe! O óleo é uma substância apolar. Óleo é uma coisa que a água não dissolve. Vou falar outra coisa que a água não dissolve: cola de adesivo. Vocês já compraram alguma coisa que vinha com aquele adesivo maldito que você tira e depois fica lá aquela cola toda? Poizé, já tentaram passar um pano molhado pra limpar? Simplesmente não sai, né? Então... Adivinha se essa cola aí é feita de substâncias polares ou apolares!

Ahh... Mas já tentaram passar um negócio chamado removedor?? Procura lá na casa de vcs se não tem um treco desses. Se vc passar um pano com removedor lá naquela cola, ela sai toda. Vai lá ver qual é a composição desse removedor aí... Hidrocarboneto alifático saturado. Lembram dos hidrocarbonetos? São aqueles trecos retinhos, bonitinhos e talz... São justamente substâncias apolares! Ao contrário da água, que é polar e não dissolve a cola do adesivo".


Explicação #2
==========

Poizé gente... Digo pra vcs que isso realmente é verdade. Apresentar um exemplo de alguma coisa que vc queira explicar é realmente muito mais prático do que explicar aquilo detalhadamente com todas as letras.

Isso ocorre devido ao fato de que o cérebro funciona de uma maneira bastante peculiar. Quando vc está ouvindo/vendo/sentindo qualquer coisa, certas áreas cerebrais são ativadas, sendo que existe uma área para cada assunto que vc conhece ou virá a conhecer. Então, quando alguém tenta te explicar alguma coisa que vc não conhece, áreas pouco ou ainda não utilizadas do seu cérebro são estimuladas.

Essas áreas ainda não possuem sinapses suficientes para vc simplesmente entender o assunto de cara. Tudo aquilo é novo pra vc, e entender esse novo assunto significa um esforço grande para o seu cérebro, que terá de ativar suas áreas e mantê-las ativas durante a aula/palestra. E se vc for exigente a ponto de querer se lembrar de tudo aquilo depois, ainda por cima terá que ativar todas essas áreas novamente mais tarde, ou seja... Estudar!! A palavra mágica, que causa terror em 10 entre 9 alunos.

Já quando alguém te dá um exemplo, o que no fim é o mesmo que te contar uma história... Ahhh José! Aí a coisa muda de figura :)!

Você sabe o que é uma pessoa. Você sabe o que é um computador (puxando a brasa pra minha sardinha :P), vc sabe o que é um projeto, vc sabe o que é uma empresa, uma universidade, um governo. Vc sabe o que é uma planta, um animal. Vc sabe o que é uma lei, o que é um juiz. Vc sabe quem são vários figuras importantes da história deste e de outros países.

Melhor ainda! Não só vc sabe tudo isso, mas praticamente TODO MUNDO sabe o que são todas essas coisas. Todo mundo, de qq área, tem ao menos noção de algumas coisas das outras áreas. Além disso, contamos com o nosso bom e velho senso comum (as coisas óbvias: pessoas, animais, plantas etc). Essas coisas estão lá, em algum lugar do cérebro de cada um de nós, basta ativá-las, de forma simples e direta.

E quando alguém te dá um exemplo, ela na verdade te conta uma história, que acaba envolvendo alguns (preferencialmente muitos) desses elementos elementares da vida, que são coisas que vc já conhece, já viu, já ouviu, já sentiu, já tudo! Imagina o tamanho do banco de dados que o seu cérebro tem guardado desse monte de coisa, tudo associadinho e bonitinho :)...

E o da hora é que nesse ponto o nosso cérebro funciona de forma inversa à Computação... Quanto MAIS informação vc tiver associada, conectada, emaranhada e engruvinhada, MELHOR ele funciona!! Quanto mais conexões cognitivas vc tiver entre todos esses elementos, mais FÁCIL é de aquilo fazer sentido pra vc e de vc conseguir entender. Nem é preciso dizer que assim também fica muito mais fácil de vc ser capaz de gostar daquele assunto, e até mesmo de se lembrar daquilo depois!

Muito loco tudo isso, não :)? Poizé... Boa parte dessas coisas eu aprendi com os livros da série Head First ---> Fi recomenda =)!


============


Deixa eu adivinhar... Vc leu a explicação #1 e teve preguiça de ler a #2, não é :)? Aha... Essa é a diferença entre uma explicação com exemplos e outra exaustiva, mil vezes maior e mais cansativa.

6 comentários:

Priscila (mama) disse...

Andrézito

Eu li inteiro!

Você disse MAIS MAIOR?

Ih........

Priscila (mama) disse...

SEGUNDO COMENTÁRIO:
LEIA NOVAMENTE ESSA PARTE E VEJA SE NÃO TEM ALGO ESTRANHO NO FINAL...

Ahh... Mas já tentaram passar um negócio chamado removedor?? Procura lá na casa de vcs se não tem um treco desses. Se vc passar um pano com removedor lá naquela cola, ela sai toda. Vai lá ver qual é a composição desse removedor aí... Hidrocarboneto alifático saturado. Lembram dos hidrocarbonetos? São aqueles trecos retinhos, bonitinhos e talz... São justamente substâncias apolares! Ao contrário da água, que é apolar e não dissolve a cola do adesivo".

Priscila (mama) disse...

Comentário número TRÊS

Seguinte. Li de novo para entender melhor o assunto porque achei muito interessante!!!
Porém me passou na cabeça que nós, professores, pensamos que os alunos dominam certos assuntos quando isso nem sempre acontece.
Por exemplo, você disse assim:

Você sabe o que é uma pessoa. Você sabe o que é um computador (puxando a brasa pra minha sardinha :P), vc sabe o que é um projeto, vc sabe o que é uma empresa, uma universidade, um governo. Vc sabe o que é uma planta, um animal. Vc sabe o que é uma lei, o que é um juiz. Vc sabe quem são vários figuras importantes da história deste e de outros países.

Melhor ainda! Não só vc sabe tudo isso, mas praticamente TODO MUNDO sabe o que são todas essas coisas. Todo mundo, de qq área, tem ao menos noção de algumas coisas das outras áreas.

Só que não é TODO MUNDO que sabe essas coisas não!
Os meus alunos, por exemplo, não sabem de tudo isso, ou da maior parte disso. No entanto, eles sabem coisas que eu jamais sonharia saber!

Não é louco?

Essa discrepância gera grande parte dos problemas educacionais. O professor pensa que sabe ensinar, mas não chega lá. Com toda a bagagem que possa ter!

Entretanto, isso não é culpa do professor. É que ele não foi ensinado a ensinar, pois quem o ensinou, também não sabia... Porque também não aprendeu!

Isso vai longe...

Luiz Ribeiro disse...

Fala Fi!

Ué, vim postar um comentário no post do natal e... cade ele?

Bom, só queria dizer que você não é o único. Várias vezes eu paro pra pensar e vejo que virei um adulto ranzinza, chato, impaciente, sem graca e serio demais; exatamente do jeito que eu sempre quis não ser.

Mas acho que a vida acaba nos impondo isso, e o jeito é tentar se policiar pra não ficar assim o tempo todo.

Ainda podemos ser quem queremos ser. Eu acho. Eu espero.

Abraco forte e feliz natal :)

Pri;) disse...

Eu achei bem interessante tudo isso, mas nem sempre funciona, pois gente é gente, mas sempre diferente. Claro que na escola eu achava exemplos do cotidiano mais legais do que explicações abstratas...
Outro site legal que tem livros também com explicações para qualquer leigo sacar qualquer assunto é o www.fordummies.com.
Eles são muito bons nisso...

andrezza gomes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.